Austrália vende latas de ar puro aos chineses

A Green and Clean Air faz a recolha em cinco localizações turísticas e está a vender cada recipiente pelo preço unitário de 12,5 euros.

Dois empreendedores de Sydney estão a vender latas de ar puro australiano para a China, onde a preocupação com os elevados níveis de poluição está a gerar novas oportunidades de negócio. A intenção inicial de John Dickinson e Theo Ruygrok até era vender o produto aos turistas apenas como uma lembrança, mas os compradores chineses mostraram um outro potencial relacionado com o tema da saúde.

A recém-criada Green and Clean Air está a vender "online" cada uma das latas a 18,80 dólares australianos (12,5 euros), havendo já cinco versões disponíveis com o ar de localizações turísticas, como as Montanhas Azuis, a praia de Bondi (na imagem) ou a ilha da Tasmânia. E os criadores garantem que até é possível sentir diferenças entre eles, como o aroma a eucalipto das montanhas que são Património Mundial da UNESCO.

Segundo relata o jornal "The Sydney Morning Herald", a jovem empresa contratou um engenheiro mecânico para desenhar um sistema de colheita que usa uma variedade de filtros para "comprimir" o ar numa lata. Cada uma contém o equivalente a 130 respirações profundas, com um dos empreendedores a garantir que são precisas dez para ajudar a limpar os pulmões.

A Xinhua, a agência oficial de notícias chinesa, também faz uma notícia em que refere que os mais ricos já estão a importar este ar puro australiano enquanto a empresa não fecha contrato com um distribuidor local. No entanto, Dickinson e Ruygrok acreditam que o potencial do negócio é muito superior, podendo chegar à emergente classe média que está cada vez mais preocupada com os níveis de poluição.

Pela primeira vez na história, o alerta relativo à poluição em Pequim aumentou no ano passado para o nível laranja, estimando-se que todos os anos morrem 1,6 milhões de pessoas por causa da má qualidade do ar. Devido à exposição constante ao fumo dos carros e às condições de trabalho, a esperança média de vida de um polícia de trânsito na capital chinesa ronda os 43 anos.

Para responder às desconfianças que este negócio possa gerar, a Yahoo da Austrália lembra que quando a água engarrafada começou a ser vendida no país nos anos 1980, também se pensava que seria ridículo comprar algo que saía de uma torneira. E se, três décadas depois, os próprios australianos gastam anualmente perto de 330 milhões de euros em garrafas de água, então o ar puro vendido em lata também pode vir a ser procurado no futuro próximo nos países mais poluídos do mundo.

Fonte: http://www.jornaldenegocios.pt/
Data: 02/05/2016